sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Awaydays - Pat Holden



Na linha de This is England, o filme que estreou recentemente entre nós e que já alguns meses tinhamos recomendado. Surge agora este Awaydays. Baseado no livro de Kevin Sampson, que retratava fielmente a cena Casual, que surgiu no final dos anos 80 em Inglaterra. Neste novissimo Awaydays, um grupo de amigos reune-se á volta de futebol, roupa desportiva, música, copos e alguma porrada com grupos rivais. Enfim, estavamos nos anos 80, Margaret Tatcher governava com a sua mão de ferro e os jovens tinham-se de entreter com alguma coisa. Vivia-se muito na rua e nela havia códigos próprios que surgiam diariamente entre os jovens ingleses. O punk ardeu rápido, o mod revival já era e o Casual nascia nesse preciso momento, inspirado nas viagens dos apoiantes/supporters ás competições europeus de futebol das equipas inglesas que traziam para as ilhas o último grito das marcas desportivas italianas e do norte da europa. A trilha sonora fica por conta de Joy Division, The Cure e demais bandas pós-punk.


Empolgue-se com a sinopse. Apenas. Odiei o filme.
Prometia uma história interessante, cheia de adrenalina e emoção, assim como em "Hooligans"(Lexi Alexander) e"This is England"(Shane Meadows), mas só mostrou uma história chata, de um pseudo-romance-platônico-homossexual-junkie que transformou o protagonista Carty em um imbecil por nunca perceber que seu amigo Elvis estava apaixonado por ele.
Isso leva uma boa parte da história, e poderia até salvar o filme, mas acho que o cineasta não soube aproveitar dessa situação pra fazer algo interessante. Acho que optou pela pior alternativa para o "futuro do casal".
Brigas feias, sem nexo, onde 50 monstros corriam de meia dúzia de magrelos e um senhor de meia idade. Gosto de ler sobre um filme antes de assisti-lo, e como na sinopse falava que o filme era sobre os "Casual boys"(leia sobre no link), eu esperava partidas de futebol, amor pelo futebol e brigas com algum sentido.
Mas assistindo ao filme, mal dá pra saber pra que time o nosso protagonista Carty sósia de Alex Kapranos torcia.
A trilha sonora é toda pós-punk. Tem seus momentos bons no filme, mas não é nada emocionante ver pessoas se espancando ao som de Joy Division.
Contém várias cenas de sexo, a ponto de me levar a pensar que Carty usa feromônio ao invés de perfume, já que é feio, sem graça e sem presença, mas consegue atrair uma infinidade de mulheres, mesmo sendo um cara totalmente sem graça(Não sei se era o objetivo do ator, mas se era, conseguiu).
Não vale a pena ficar falando tanto sobre esse filme.
Querem ver bons filmes sobre Hooligans? Assista Hooligans 1000 vezes, mas evitem esse filme.
Não valeu um minuto do download.
Não se enganem com o trailer.

4 comentários:

Díade disse...

bom, pelo menos a trilha sonora é boa então

Equipe Excentricultural disse...

músicas ótimas, porém mal colocadas.
Por exemplo nunca senti vontade de dançar até o chão ouvindo Mozart.
Entende?

Robson Laureano disse...

Obrigado digo eu!
Por toda a consideração e reconhecimento dado a mim, e ao Altividades Músicais.
É realmente muito impressionante e inspirador esse blog, e com tanto "Lixo" que encontramos na internet, é importante dar todo o crédito, e agradecer a um blog como esses. Parabéns e valeu mesmo.

Abraços!

Victor disse...

ótima resenha! gostei um pouco mais do filme que vc, mas poderia ser bem melhor mesmo... =)