sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Awaydays - Pat Holden



Na linha de This is England, o filme que estreou recentemente entre nós e que já alguns meses tinhamos recomendado. Surge agora este Awaydays. Baseado no livro de Kevin Sampson, que retratava fielmente a cena Casual, que surgiu no final dos anos 80 em Inglaterra. Neste novissimo Awaydays, um grupo de amigos reune-se á volta de futebol, roupa desportiva, música, copos e alguma porrada com grupos rivais. Enfim, estavamos nos anos 80, Margaret Tatcher governava com a sua mão de ferro e os jovens tinham-se de entreter com alguma coisa. Vivia-se muito na rua e nela havia códigos próprios que surgiam diariamente entre os jovens ingleses. O punk ardeu rápido, o mod revival já era e o Casual nascia nesse preciso momento, inspirado nas viagens dos apoiantes/supporters ás competições europeus de futebol das equipas inglesas que traziam para as ilhas o último grito das marcas desportivas italianas e do norte da europa. A trilha sonora fica por conta de Joy Division, The Cure e demais bandas pós-punk.


Empolgue-se com a sinopse. Apenas. Odiei o filme.
Prometia uma história interessante, cheia de adrenalina e emoção, assim como em "Hooligans"(Lexi Alexander) e"This is England"(Shane Meadows), mas só mostrou uma história chata, de um pseudo-romance-platônico-homossexual-junkie que transformou o protagonista Carty em um imbecil por nunca perceber que seu amigo Elvis estava apaixonado por ele.
Isso leva uma boa parte da história, e poderia até salvar o filme, mas acho que o cineasta não soube aproveitar dessa situação pra fazer algo interessante. Acho que optou pela pior alternativa para o "futuro do casal".
Brigas feias, sem nexo, onde 50 monstros corriam de meia dúzia de magrelos e um senhor de meia idade. Gosto de ler sobre um filme antes de assisti-lo, e como na sinopse falava que o filme era sobre os "Casual boys"(leia sobre no link), eu esperava partidas de futebol, amor pelo futebol e brigas com algum sentido.
Mas assistindo ao filme, mal dá pra saber pra que time o nosso protagonista Carty sósia de Alex Kapranos torcia.
A trilha sonora é toda pós-punk. Tem seus momentos bons no filme, mas não é nada emocionante ver pessoas se espancando ao som de Joy Division.
Contém várias cenas de sexo, a ponto de me levar a pensar que Carty usa feromônio ao invés de perfume, já que é feio, sem graça e sem presença, mas consegue atrair uma infinidade de mulheres, mesmo sendo um cara totalmente sem graça(Não sei se era o objetivo do ator, mas se era, conseguiu).
Não vale a pena ficar falando tanto sobre esse filme.
Querem ver bons filmes sobre Hooligans? Assista Hooligans 1000 vezes, mas evitem esse filme.
Não valeu um minuto do download.
Não se enganem com o trailer.

domingo, 20 de dezembro de 2009

O Fabuloso destino de Amelie Poulain - Jean-Pierre Jeunet



Sinopse:

Após deixar a vida de subúrbio que levava com a família, a inocente Amélie (Audrey Tautou) muda-se para o bairro parisiense de Montmartre, onde começa a trabalhar como garçonete. Certo dia encontra uma caixa escondida no banheiro de sua casa e, pensando que pertencesse ao antigo morador, decide procurá-lo ­ e é assim que encontra Dominique (Maurice Bénichou). Ao ver que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e adquire uma nova visão do mundo. Então, a partir de pequenos gestos, ela passa a ajudar as pessoas que a rodeiam, vendo nisto um novo sentido para sua existência. Contudo, ainda sente falta de um grande amor.



Uma comédia diferente de tudo o que já vi. Não que eu tenha visto muita coisa, mas nem por isso deixa de ser. Conheço muito pouco sobre o cinema francês, mas estou decidido a pesquisar mais depois de ver essa obra genial.
Humor inteligente, nada escrachado, circula basicamente em volta da inocencia de Amelie (Audrey Tautou) e dos hábitos estranhos das pessoas, mas me arrisco a dizer que são coisas normais de encontrarmos em nosso cotidiano. Coisas como hipocondríacos, pessoas lerdas, pessoas impacientes e mal-educadas, mal amados, e coisas do tipo.
Antes de assistir ao filme, eu li uma sinopse mais resumida, que fez parecer que o filme era apenas a busca de Amelie por Dominique. Durante o filme, quando os dois se encontraram, eu achei que estava proximo do fim, até lembrar que estava curto demais em relação ao tamanho do arquivo e seu formato (rmvb), daí percebi que ainda tinha muito filme pela frente, e achei ótimo, pois o filme se torna ainda melhor.
Amelie é de uma delicadeza, de uma pureza, que me impressiona, e cativa à todos.
Assistam!

domingo, 22 de novembro de 2009

Laurel Aitken - Woppi King


Laurel Aitken, o padrinho do ska, um músico genial que eu descobri essa semana, vendo o documentário "Skinhead Attitude".
Realmente faz ótimas canções, são bem animadas, ideais para "agitar", como dizem no filme.
Esse álbum não é tão animado quanto eu esperava, vi mais como reggae do que como ska.
Ainda não conheço muito sobre o estilo, por isso escrevo essa resenha tão curta. Mas espero que ouçam, e pesquisem sobre o assunto, para que possamos escrever coisas mais elaboradas sobre esse estilo que me fascinou, o ska.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Trilogia "As Crônicas de Artur" - Bernard Cornwell

Finalmente acabei de ler essa maravilhosa trilogia. Eu nunca havia lido nada de Bernard Cornwell, mas agora me considero um grande fã. Quero ler tudo, até bilhetes que ele tenha deixado para a avó.
Já devo ter visto filmes, ouvido histórias ou lido livros com várias versões sobre a história do Grande Rei Artur. Mas essa sem dúvidas é a melhor, e digo isso conhecendo muito bem "As Brumas de Avalon".
Cada livro tem mais ou menos 530 páginas, mas é bem fácil de ler. Aliás, é bem difícil não ler, já que o livro faz suas emoções oscilarem incrívelmente, além de te prender num calabouço genial que é o século V.
Muitas guerras, onde você se sente um guerreiro em uma parede de escudos, estocando com a lança, e protegendo seu companheiro com seu escudo. Cuspindo no adversário, insultando-o, e sentindo o cheiro de hidromel.
Hidromel, sábia palavra. Nunca provei, mas os guerreiros bebiam tanto, que parece que você conhece a bebida à anos.
Você encontrará "As Crônicas de Artur" em livrarias, como um romance americano.
Sim, é um ótimo romance, mas nem um pouco "água com açúcar". É bem intenso, mas não o considero um romance. O considero apenas indispensável. Trata de tudo!Tudo!
Me interesso bastante por coisas esotéricas, e a parte mágica do livro é maravilhosa.
Não tem como não admirar o cérebro de Merlin, o coração de Artur, a coragem de Derfel, a lealdade de Sagramor, entre vários outros personagens FANTÁSTICOS. Sem dúvidas, esses são uns dos melhores livros que já li em minha vida.
POR FAVOR, LEIAM!

sábado, 7 de novembro de 2009

"Lóki-Arnaldo Baptista - Paulo Henrique Fontanelle


SINOPSE

Documentário sobre Arnaldo Baptista, fundador dos Mutantes e um dos grandes ícones da música brasileira. Imagens históricas revelam a trajetória do artista desde a infância, o surgimento dos Mutantes, o casamento com Rita Lee, a separação, o fim da banda, a depressão que o levou a uma tentativa de suicídio e a um profundo coma, sua carreira solo e o reencontro com a paz. Com depoimentos do artista, familiares e amigos, como Tom Zé, Lobão, Nelson Motta, Gilberto Gil, Sergio Dias, Dinho Leme, Zélia Duncan, Liminha e Rogério Duprat, além de Kurt Cobain, Sean Lennon e Devendra Banhart.


Genial. É a única palavra que consegue descrever esse documentário. Eu já estava ficando preocupado, com o fato de não ter visto até hoje um documentário tão premiado, sobre um ídolo, que fundou uma das minhas bandas favoritas.

Após ver o filme, concordei de vez que Arnaldo já não tem tantas sequelas do acidente.

É apenas a idade, com sua alma de criança, gestos demais, uma mente brilhante, e um pequeno defeito na fala (por culpa do acidente).

Vale a pena ver, abrange diversos temas além da música, como drogas e suas consequencias.

É um ótimo filme pra quem quer parar com drogas.

E o melhor filme que existe, pra quem quer conhecer o brasileiro mais genial de todos os tempos.


Trailer do filme!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Earth A.D. & Wolfs Blood - The Misfits


Depois de perder todo o meu HD, estou tendo que baixar todos os meus albuns de novo.
Entre eles, me lembrei dessa banda que gosto muito. Banda de horror punk dos Estados Unidos.
É interessante como são romanticos e medonhos ao mesmo tempo. Talvez achem bonito ver seu grande amor sangrar até a morte.
As letras não me agradam muito, gosto de coisas mais bonitas, mas acho interessante a criatividade, e o jeito despojado do punk rock.
Pesquisando sobre a banda, achei genial saber que o visual do atual líder da banda Jerry Only é inspirado em Elvis Presley, seu ídolo. Jerry é um ótimo zumbi de Elvis.
Já tinha ouvido outros albuns do Misfits, e dos que ouvi, esse é o mais rápido. Onze músicas em pouco mais de dezoito minutos. Ridiculamente pequeno se comparado com Famous Monsters.
O que vale no álbum é "Die, die, my darling", um dos maiores sucessos da banda, que foi regravada por grandes bandas como o Metallica. O álbum é bom, mas sem dúvidas essa é a melhor faixa.Bloodfeast também é muito boa, tem um ritmo empolgante, talvez te faça dançar.

Trainspotting-Sem Limites - Danny Boyle



Sinopse:
O filme conta sobre a vida de um grupo de amigos,usuários de heroína.As reviravoltas desses adolescentes que passam da curtição a dependência, e as tentativas de abandono do vicio são alguns dos assuntos tratados.Ambientado em Edimburgo na Escócia a historia gira em torno de jovens sem juízo, mergulhados nas drogas e nos próprios devaneios, a turma chega a roubar entre outros casos extremos de imprudência,o mais importante no momento de torpe é ficar mais dopado ainda,porem o tempo vai se passando e cada um segue seu caminho as irresponsabilidades do passado da lugar a vida real,como esses jovens vão lidar com tal pressão você pode conferir em Trainspotting.

Um ótimo filme, e pensei que era bem mais antigo. Pra evitar confusões, o filme veio da obra literária de Irvine Welsh, e o filme foi dirigido por Danny Boyle.
Achei bastante surpreendente, muito mais que muitos filmes "junkie".
Contém cenas bem fortes, e a careta é inevitável ao ver agulhas penetrando nas veias, e dá uma angústia ver o pobre Renton(Ewan McGregor) tendo suas recaídas. O filme mostra bem, como é difícil se tratar de um vício perigoso como a heroína, e como a droga te torna totalmente dependente.
O filme mexe com sua cabeça assim como a droga; no início, tudo é bom e divertido, mas com o decorrer do tempo, tudo vai se complicando.
Os personagens principais possuem características bem marcantes.
O valentão Francis Begbie(Robert Carlyle), o idiota "Spud"(Ewen Bremner), o prepotente "Sick Boy"(Jonny Lee Miller) e o mais sensato, não deixando de ser inconsequente protagonista Mark Renton.
A trilha sonora também é ótima, predominantemente calma, porém acompanha a emoção que este maravilhoso drama irá lhe proporcionar.
Valeu a pena assistir, e fico feliz em dizer que esse filme também irá pra minha coleção pessoal.
Assistam!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Corra Lola, corra - Tom Tykwer


sinopse:

Manni (Moritz Bleibtreu), o coletor de uma quadrilha de contrabandistas, esquece no metrô uma sacola com 100.000 marcos. Ele só tem 20 minutos para recuperar o dinheiro ou irá confrontar a ira do seu chefe, Ronnie, um perigoso criminoso. Desesperado, Ronni telefona para Lola (Franka Potente), sua namorada, que vê como única solução pedir ajuda para seu pai (Herbert Knaup), que é presidente de um banco. Assim, Lola corre através das ruas de Berlim, sendo apresentados três possíveis finais da louca corrida de Lola para salvar o namorado.

Achei o filme bastante interessante, mas demorei um pouco pra entender essa de "três finais possíveis", porque não havia lido a sinopse antes de assistir.
Fiquei tentando entender, fazer uma ligação, mas depois resolvi aceitar o final que me fosse mais conveniente. É um filme de ação do jeito que eu gosto, que te deixa nervoso junto com o personagem. Você se preocupa, não quer que Lola perca nem um segundo, e parece que estamos a ajudando com a força do pensamento.
E além de tudo, é um filme pequeno, pode ser visto em um dia de insônia, ou enquanto esperamos alguém. Gostei bastante, e sem dúvidas gravarei para meu acervo pessoal.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Trova de Danú - Tuatha de Danann


Álbum mais recente da banda mineira de Folk Metal.
Não ouso dizer que é o melhor álbum da banda, mas sem dúvidas é uma obra maravilhosa, e com mais influências celtas do que nunca (fazendo jus ao nome da banda.
O álbum começa com uma música bem animada, "Land opf Yuth(Tir Nan Og)", e tenho certeza que ja li "Tir nan og" em algum livro.
A próxima faixa que me chama atenção, é também uma das minhas favoritas, "Believe is true". O que me fascina na banda, é que conseguem ser virtuosos, com solos rápidos e muita técnica da parte de todos os músicos, porém também conseguem fazer arranjos calmos, que mostram bastante sentimento à quem os escuta. Isso é raro hoje em dia.
Estamos habituados a ver ou "pseudo-hiipies" que nos fazem dormir na terceira faixa, ou "fritadores de guitarra" sem sentimento nenhum.
O Tuatha de Danann conseguiu abstrair as vantagens dos dois tipos, e estão de parabéns.
"Bella Natura" foi a música que eu mais gostei. Cantam com uma voz aguda, limpa e linda. Mas também conseguem inserir um drive, e até mesmo um scream em algumas partes.
O resto do álbum não me fez vibrar tanto, exceto "The Wheel", que apesar de ter mais de sete minutos, e eu não gostar de músicas grandes demais, é uma excelente canção. "Trova de Danú", faixa que leva o nome do disco, é uma música muito boa, mas eu esperava muito mais, devido à qualidade do álbum em si.
"The Land's revenge" faz refletir o estilo da banda. Mostra que o Tuatha é realmente folk, mas não deixa dúvidas de que também se trata de uma banda de metal.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Reggae a vida com amor - Ponto de Equilíbrio


Mantendo a linha de posts sinceros, com o que estou realmente ouvindo e gostando, falarei hoje sobre essa banda brasileira de reggae.
Acho muito interessante o que pregam em suas letras, pois faço uma relação muito grande, com a filosofia de vida de Artur ( da obra de Bernard Cornwell). Um homem que quer a revolução, apenas para conquistar a paz. Um homem que procura a paz.
E é mais ou menos essa a mensagem da banda.
É realmente impressionante a capacidade que o Ponto de Equilíbrio tem, de acalmar quem os ouve.
É só eu me estressar, que logo coloco no playlist.
Você não irá encontrar os melhores músicos do reggae aqui, mas nem por isso deixam de ser uma grande banda.
Gosto muito da voz do vocalista, extremamente aguda, e sem nenhuma vergonha de mostrar suas "viagens" enquanto canta. Quem já viu algum vídeo, ou foi ao show,diz que ele parece estar possuído enquanto canta.
Vejo na banda alguma semelhança com a anarquia, que é uma coisa que admiro, e gosto de ler sobre.
Mas diferente de Bakunin, não querem destruir tudo para reformar depois.
Querem "combater de frente o sistema", mas através do amor, que na minha opinião, é o que o mundo mais precisa.
Em momentos de revolta, concordo mais com Bakunin, mas acharia maravilhoso, se o mundo mudasse, através do amor que o Ponto de Equilíbrio prega.
Não pesquisei muito sobre a banda, não sei se são realmente rastafari, mas muitas músicas são quase gospeis. Duvido que alguém que ja ouviu ao menos 3 músicas da banda, não ouviu o nome "Jah" pelo menos umas 5 vezes.
Mas acho ótimo, e a religião é bastante interessante, pretendo pesquisar sobre.

domingo, 4 de outubro de 2009

B B King - Singin The Blues


Pra variar um pouco, quero pedir desculpas, pelo tempo sem postar.
Acho que eu já começar o blog como uma obrigação, me deixou exausto, sendo que com qualquer abalo emocional ou contra-tempo, eu não consigo postar algo construtivo.
E confesso que não ando nada bem, emocionalmente, e isso ajudou em minha ausência nessa página.
E como quero me livrar logo dessa tristeza,e começar uma nova etapa em minha vida, resolvi postar sobre algo muito novo pra mim, o blues.
E agradecer ao amigo Rodrigo Caixeta, que começou a me mostrar uma pequena parte do grande universo que é o blues.


Já vi pessoas que não conhecem, dizer que as músicas são parecidas demais. Mas pra mim, a única semelhança é o sentimento, que os músicos colocam em seus respectivos intrumentos.
E quantos instrumentos! Nesse álbum podemos notar guitarras, baixos, violões, pianos, metais, e muitos outros.
Que acompanhados da voz rouca e poderosa de B.B. King, te mostrarão anos de diversão saindo de uma caixa de som, e se entender um pouco de inglês, perceberá o sofrimento de muita gente transformado em arte, e que bela arte!
Algumas músicas chegam a ser dançantes, como "Woke up this morning". Não entendo nada de metais, mas se não me engano é um trompete, que faz um solo maravilhoso, digno de ser aplaudido de pé,nessa mesma música.
A faixa seguinte "You now I love you" já não é nada dançante, mas faz o coração mais duro se balançar, com o piano, e a voz aparentemente triste do mestre.
O que achei mais complexo no blues, é decidir, se gosto mais das dançantes ou das mais profundas.
No fim das contas, preferi as que mesclam os dois, como a última faixa desse álbum "Crying won't Help You"
Realmente fantástico, e pretendo ouvir o grandioso blues durante um bom tempo!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Let's Go - Rancid


Depois de anos sem postar, devido à falta de um computador, estamos de volta.
Hoje falarei sobre um dos meus álbuns favoritos.
Não que seja maravilhoso (apesar de EU achar muito bom), mas ouvir a faixa três (Salvation) alegra meus dias.
Apesar de tecnicamente e musicalmente falando o Rancid seja uma das melhores bandas da história do Punk Rock, não são grandes coisas (tecnicamente falando), mas sabem usar dessa simplicidade pra fazer coisas realmente fantásticas, usando alguns recursos como o teclado, e influências como Rockabilly e é impossível falar de Rancid sem falar de Ska.
Me impressiona a capacidade da banda de fazer baladas gostosas, como "Fall back down"(que não está no disco, mas vale falar), e no disco encontramos "The ballad of Jimmy & Johnny".
Vale falar também em algumas faixas como "Dope sick girl" com riffs que lembram vários outros do próprio Rancid, e "Burn" que possui um baixo genial...
Apesar de estar longe de ser o melhor álbum da banda, gostei bastante!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Rock Rocket - Rock Rocket

Simples, divertida, e jamais sóbria. Essa é a Rock Rocket.
Sou fã da banda a algum tempo, e sendo assim, a análise do álbum se torna mais profunda, já que é explícita a melhora dos músicos tecnicamente falando.
Conseguiram mostrar que o "Sexo,drogas e rock n' roll" cantado em "Por um Rock n' Roll mais alcoolatra e inconsequente" não é nada perto do que os loucos paulistanos podem fazer.
"Os legais" é a primeira faixa do álbum, e nao existe um porra-louca no mundo que não se identifique. A música é empolgante, parece que voce entra nela, e faz as loucuras junto com Noel (guitarra), Pesky(baixo), e Alan (bateria).
Percebi uma certa influência de rockabilly em algumas músicas. Bem sutil, mas na minha opinião, existe sim.
Pra mim, o Rock Rocket será como o Matanza. Têm um tema definido, e a criatividade da banda nunca acaba dentro do mesmo tema, sem se tornar chato, monótono(jamais) ou repetitivo.
O Rock Rocket mostra que a falta de sangue no alcool, as garotas loucas, e as viagens alucinadas ainda existem.
E é uma das bandas, que me fazem dizer: "Viva o rock nacional!"

terça-feira, 18 de agosto de 2009

O cheiro do ralo - Heitor Dhalia

Sinopse
Lourenço (Selton Mello) é o dono de uma loja que compra objetos usados. Aos poucos ele desenvolve um jogo com seus clientes, trocando a frieza pelo prazer que sente ao explorá-los, já que sempre estão em sérias dificuldades financeiras. Ao mesmo tempo Lourenço passa a ver as pessoas como se estivessem à venda, identificando-as através de uma característica ou um objeto que lhe é oferecido. Incomodado com o permanente e fedorento cheiro do ralo que existe em sua loja, Lourenço vê seu mundo ruir quando é obrigado a se relacionar com uma das pessoas que julgava controlar.

O ator Selton Mello me surpreende cada vez mais. Na minha opinião, sem dúvidas está entre os maiores atores do Brasil. Me dá gosto ver como ele encarna o personagem. Lendo a sinopse, ou lendo as entrevistas de Selton antes do lançamento do filme, a história parece louca, e boba.
Que é louca, eu concordo até o fim dos tempos, mas de boba não tem nada.Se você não for dessas pessoas que levam tudo pelo sentido denotativo, o filme é bastante interessante, e sem dúvidas irá pra minha coleção.
Acho válido falar, sobre o fato de cada personagem ter uma característica única, que o torna especial, e torna o filme ainda mais interessante. Temos a "viciada totalmente perturbada"(Sílvia Lourenço), a "simpática e provocante garçonete" (Paula Braun), a "cliente desavergonhada" (Lorena Lobato), e não poderia deixar de falar sobre o "segurança espertalhão" (Lourenço Mutarelli).
O filme é bem engraçado, mas com um humor mais inteligente, diferente do que ando vendo no Brasil.
Só achei desnecessário a quantidade de pessoas nuas em um só filme. Mas não chego a reclamar, já que Paula Braun e Lorena Lobato possuem um físico digno de aplausos.
Mais um grande trabalho de Selton Mello.
Recomendadíssimo!

domingo, 16 de agosto de 2009

Consolers of the Lonely - The Raconteurs

Uma das melhores bandas da atualidade, vinda dos EUA, e que conta com um dos maiores genios da música - Jack White.
Vendo entrevistas, eu fico chocado como uma única pessoa, mortal, pode entender tanto de música.
E acho que é essa uma das razões do sucesso dos projetos de Jack.O "The White Stripes" é genial, mas em minha humilde opinião, "The Raconteurs(The Saboteurs)" é muito melhor.
Músico ruim não tem vez na banda. São todos ótimos, e trazem consigo a fórmla para o sucesso de seus outros projetos ( The White Stripes, The Greenhornes, Blanche e The Waxwings).
Sem contar o fato de a banda ser muito bem influenciada, ja que assumem ouvir muito bandas como "The Doors", "Led Zeppellin" e "Deep Purple".
O álbum já começa bem, com a canção que leva o nome do álbum.
Seguida por "Salute your solution", que foi a música que eu mais gostei.
Daí em diante eu acho válido falar sobre as baladas, com bateria simples, bem "White Stripes", como "You Don't understand me"( com um teclado indecente de bonito) e "Top yourself".
"The Switch and the Spur" e "Attention" também são faixas que merecem ser citadas.
Resumindo, a banda e o álbum são geniais. Mal vejo a hora de acabar de baixar a discografia.
E também comprar os CD's que apesar dos downloads gratuitos que circulam na rede, gosto de comprar Cd's, e uso a rede apenas para conhecer bandas e discos novos.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Milk - Gus Van Sant

Sinopse:

Milk, um gay carismático e bem-humorado, muda-se de Nova Iorque para São Francisco em 1972, onde planejava com o namorado abrir uma loja de fotografia na rua Castro, onde à época os gays não eram bem recebidos. Milk resiste e em pouco tempo todo o bairro Castro torna-se referência na luta pelos direitos dos homossexuais.

A luta de Milk o transformou em um líder político, comandando campanhas nacionais pelos direitos dos gays, recebendo inclusive apoios conservadores, como do então aspirante à presidência Ronald Reagan.



Um filme realmente interessante. Mostra detalhadamente a luta dos homossexuais contra a homofobia, e mostra que não são frágeis como a sociedade machista e preconceituosa pensa.

Vale a pena ver, mas sem pressa, já que comecei a ver o filme durante "Malhação", e fui acabar durante o "Jornal Nacional".

Acho que a história poderia sim ser um pouco mais resumida, já que uma história fantástica, com ótimos atores como Sean Penn e Denis O'Hare, foi transformada numa história levemente cansativa, e confesso que parei o filme diversas vezes, para comer, ir ao banheiro, fumar, etc. Mesmo com um pouco de sono, a história conseguiu me prender, apesar dos contra-tempos.

Realmente, é um bom filme, e merece os prêmios que recebeu.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Pisces Iscariot - Smashing Pumpkins

Um dos cds menos importantes da brilhante carreira de Billy Corgan, mas sinceramente, achei o album bem interessante.
Realmente, é impossível encontrar nesse álbum, músicas capazes de agitar qualquer platéia, como "Bullet with Butterfly Wings", mas encontramos baladinhas depressivas e apaixonadas, mas não menos interessantes.
Sei da existência da banda à muitos anos, mas eu tinha o ridículo hábito de boicota-la, apenas pelo fato de ser um grande fã de Nirvana, e saber do caso da mulher de Kurt Cobain(Vocalista e guitarrista do Nirvana) Courtney Love com Billy Corgan (Vocalista do Smashing Pumpkins).
Confesso que ao acabar de ouvir o álbum inteiro, principalmente a segunda faixa, que me marcou, "Frail and Bedazzled", e vi que o Smashing Pumpkins é uma banda tão boa quanto o Nirvana, ou melhor, e eu passei todos esses anos, sem saber disso... Realmente fiquei frustrado, mas espero agora pesquisar mais, e conhecer mais sobre a banda.
Acho realmente genial, não tem como lembrar do grande amor ao ouvir as baladas como "La Dolly Vita", mas também não tem como evitar bater a cabeça em faixas como "Hello Kitty Kat" e "Pissant".
Achei tudo incrível, e acho que me tornarei fã das abóboras.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Little Joy - Little Joy



Pra mais fácil associação, é mais fácil começar dizendo, que o Little Joy era o famoso projeto paralelo do genial Rodrigo Amarante(Los Hermanos) com Fabrizio Moretti (Strokes).
Apesar de ambos serem brasileiros, a banda é considerada uma banda californiana, já que todo o trabalho de composição e gravação, foi feito em território estadunidense.
E é importante citar a presença de Binki Shapiro, uma multi-instrumentista genial, que fecha este trio fantástico.
Uma pena a banda ter acabado, pois o Little Joy com este único álbum, mostrou que o indie rock é muito mais amplo, do que as 1000 palhetadas frenéticas pra baixo, e riff's baratos que algumas bandas fazem por aí.
Me arrisco a afirmar, que Little Joy é uma banda melhor que Strokes.
As músicas variam, temos faixas calmas como "Play the Part", e outras mais animadas, como a que segue, "No One's Better Take", que é uma música bem gostosa, e que chega a lembrar blues.
"Keep me in mind" foi a música que eu mais gostei em todo o disco.
Apesar da banda ter 2 brasileiros, a maioria das músicas sao em ingles, com exceção de "Evaporar", que não gostei muito, mas quero deixar claro que adoro música em português.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Música para beber e brigar - Matanza



Álbum de 2003, da banda carioca com sucesso repentino, porém merecido, através da MTV.
Pra mim é o álbum com o "estilo Matanza" mais acentuado, e me impressiona, como o ex-guitarrista Donida consegue fazer tantas músicas boas, com um tema pouco complexo: "Mulheres, bebida, brigas, no bom e velho oeste americano".
Infelizmente, não conseguirei fazer uma crítica grande, pra uma das minhas bandas favoritas, mas a causa é nobre. Não consigo encontrar uma música que se destaque muito. Pra mim são todas excepcionalmente geniais.
Mas acho que consigo citar minhas favoritas, como "Interceptor v-6", "O último bar", "Bom é quando faz mal" e "Quando bebe desse jeito".
"Música para beber e brigar" trás uma música de um dos maiores ídolos da banda: Mr. Johnny Cash. A influência de Johnny Cash sobre a banda é tão grande, que o álbum gravado após "Música para beber e brigar" é só de versões das músicas de Johnny Cash (To hell with Johnny Cash).
Realmente, façam o download e conheçam essa maravilhosa banda brasileira.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O passo do Lui - Os Paralamas do Sucesso



Album de uma das mais consagradas bandas do Brasil. "O passo do Lui", foi o trampolim para o sucesso da banda, e também o último álbum com clara influência jamaicana.
As batidas, sempre em contra-tempo, lembram muito o reggae e o ska, mas não perdem a pegada do bom rock nacional.
A primeira faixa é "Oculos", e pra mim uma das melhores faixas do Cd. Vem seguida de "Meu erro", que é um dos maiores hits de toda a carreira do trio carioca. Trio genial, é importante ressaltar.
Mas em "O passo do Lui", usam um músico contratado, que contribui bastante pro álbum. Um bom tecladista, que fez um ótimo trabalho.
Uma das poucas faixas que não fica tão clara a influência jamaicana, é uma balada romantica, muito bonita, cantada pela voz grave de Hebert Vianna, "Romance Ideal" é outra faixa que se tornou um grande sucesso, com um solo de guitarra muito bem feito, sem dúvidas contribuiu para o relativamente alto número de vendas do álbum, e também para mandar Os Paralamas do Sucesso para o Rock in Rio, e no grande festival, foi considerada uma das melhores bandas, apesar de estar estreando em festivais daquele porte.
Sem dúvidas vale a pena baixar, ou até comprar o álbum, e ver a qualidade dos músicos.
João Barone é um dos maiores bateristas do Brasil, e Hebert Vianna na guitarra, e Bi Ribeiro no baixo não ficam muito atrás.
Recomendo à todos!!!

domingo, 2 de agosto de 2009

Entrada para Raros - O Teatro Mágico


Banda brasileira, formada a menos de 10 anos, por músicos, poetas e artistas circenses. E uma das bandas com maior número de integrantes (12 ao total) que já vi no Brasil.
O Teatro Mágico não possui estilo definido, não são rotulados, como a maioria das bandas brasileiras.
Mas em sua maioria, suas músicas são calmas, falam muito sobre situações totalmente cotidianas, misturando elementos do circo, da literatura, do teatro, de músicas folclóricas, tudo isso em um único espetáculo, falando de forma amena, gostosa aos ouvidos.
"Entrada para Raros" é um pouco extenso, possui muitas músicas, porém nada irritante, ou cansativo, já que possui muitas músicas boas, e muitas músicas que voce facilmente irá associar à algo da sua vida, devido ao caráter cotidiano das letras.
Outra coisa que vale a pena ressaltar, é a presença de um DJ na banda, que insere efeitos interessantes às músicas, como beeps, toques de telefone, ruídos, etc.
"Ana e o Mar", "Camarada d'água", "Zaluzejo", "A pedra mais alta", e "Pratododia" sao canções geniais, e que vale a pena tirar alguns minutos do seu dia para escutá-las.
Eu ainda nao havia parado para escutar O Teatro Mágico, e o fiz a pouco tempo. Não sinto o menor arrependimento, e se já gostei do álbum, mal posso esperar para ir à um show, onde é mais fácil observar e sentir, a arte performática do Teatro Mágico, com a junção de todos os elementos que compõe a banda.
Simplismente genial!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

It's only Rock n' Roll - The Rolling Stones



Não quero perder o hábito de falar sobre grandes bandas britânicas; então hoje falaremos sobre o premiado disco dos Rolling Stones, "It's Only Rock n' Roll".

Ter ganhado disco de platina não foi nada além do merecido, já que o álbum é realmente bom, apesar de que suas músicas não se tornaram hits tão lembrados como "Satisfaction","Sympathy For The Devil", ou "Angie".

Pra mim a melhor canção é a que leva o título do álbum, que digamos, se tornou um hit, mas não na mesma proporção das músicas citadas no parágrafo acima.

Conheço pouco sobre os Stones, mas após ouvir canções como "Luxury" e "If you can't rock me", não sei se consigo ficar sem pesquisar mais sobre a banda, e sua imensa discografia.

E achei interessante saber, que o álbum foi gravado pouco tempo depois de uma troca de integrante, mas nem assim perderam a pegada, o entrosamento.

Gostaria de fazer um rápido comentário sobre a guitarra de Keith Richards.

Não vejo técnica absurda, não vejo virtuosismo, mas é de um feeling impressionante. É magnífico! Tornou-se um dos meus ídolos como músico!

Link pra download

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Halloween-O início- - Rob Zombie

Aos 10 anos, Michael Myers é um garoto problemático, excluído por todos. Sua mãe é uma stripper no clube local e vive brigando com o namorado. Para descontar sua raiva do mundo, Michael tem o hábito de maltratar animais, até que um dia o diretor da escola descobre e informa à sua mãe que o garoto possuem tendências psicopatas. Numa noite de Halloween, fantasiado com uma de suas máscaras preferidas, ele perde totalmente o controle, assassina todos na casa e vai parar num reformatório para crianças. Depois de ficar recluso por 17 anos, ele foge da instituição mental e retorna à cidade em busca de vingança e qualquer um que atravessar seu caminho, está correndo um grave perigo de morte.

Assisti ontem esse filme no cinema. Era difícil esconder a empolgação, já que havia lido críticas positivas à respeito do filme.
Não o achei ruim, a história apesar de clichê, foi bem representada, o filme lhe proporciona muitos sustos, característica dos filmes de terror.
Mas achei algumas coisas um pouco absurdas.
Quando criança, Michael Myers é uma criança fisicamente normal. Mas quando cresce, toma proporções absurdas, chega a ser maior que o Hulk!
E chato que sou, contei: 4 tiros de Magnum (pistola de alto calibre), 1 de uma semi-automática de baixo calibre, e uma faca de uns 25cm enfiada nas costas de Michael. Ele não se machuca, nem um tanque de guerra pode afetá-lo. Isso eu achei ridículo, não quero que seja 100% realistas, mas também não precisa ser absurdo.
Não serei estraga (des)prazeres, então não contarei o final. Impossível, já que o filme não tem final.

Nota 5/10

The Poison - Bullet for my Valentine



Mais uma vez pesquisando bandas boas que ainda não havia escutado, e encontrei essa banda de metalcore, do País de Gales.
The Poison é o primeiro álbum de verdade da banda, já que desde a criação da banda, em 1998, eles investiam mais em Ep's.
Pra falar do álbum, terei que reclamar de uma coisa que venho falando a muito tempo. Músicas longas demais pra tanto peso! Na minha opinião, se torna cansativo.
Mas em compensação, dá um contraste bacana, já que as 6 primeiras músicas são bem pesadas, e notamos uma influência de Thrash Metal; mas aí nos deparamos com uma música bem calma, e bonita que é "All these things I hate(Revolve around me)", mas em seguida temos "Room 409", que é bem pesada, e desde o início do álbum, pra mim é a melhor música.
Acho bom ressaltar também, a qualidade dos músicos, nesse álbum encontrei ótimos solos de guitarra, um vocal que consegue ser potente nos gritos, mas que também consegue cantar com a voz limpa. É realmente bonito. A cozinha é ótima, baixo marcante, fácil de ser percebido, e bateria bem rápida, o que nos faz notar a habilidade do músico.
"Today Cries in Vain" é uma boa faixa, pra se observar todas essas observações que fiz.
O cd acaba com uma faixa de quase 7 minutos, chamada "The End". Vale a pena escutar cada segundo da música. Estou realmente fascinado com a banda e sem dúvida está agora entre as minhas favoritas.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

The Distillers - The Distillers



Primeiramente gostaria de pedir desculpas à quem anda lendo o blog, e vendo pouquíssimas atualizações. Eu também fico triste com isso, porém o fato é que minha casa está em reforma, o que impossibilitou o uso do computador durante pouco menos de uma semana. Minha saúde também não está das melhores. Sendo assim, fiquei com vontade de conhecer coisas novas, e comecei pesquisando sobre essa banda de punk rock alternativo da Austrália.
O Distillers foi formado no fim dos anos 90, e esse é o primeiro álbum de estúdio da banda.
Gostei do fato das músicas serem todas bem rápidas, mas são longas demais pro estilo. Gritaria durante muito tempo, com a mesma mensagem, os mesmos acordes, me cansa. Não que eu esperasse que fossem grandes músicos, mas se a idéia é ser agressivo, e passar uma mensagem, prefiro que sejam simples, diretos.
O vocal feminino é genial. Nunca tinha ouvido uma banda desse estilo com vocal feminino. Pesquisarei mais à respeito. E prestando atenção nas letras, mesmo sabendo muito pouco de ingles, consegui ouvir mensagens em defesa à mulher, e alguns gritos de "Riot!", que é um movimento bem interessante.
Estou bem feliz de conhecer essa banda!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Preliminaires - Iggy Pop


Hoje falarei sobre o novo álbum do rockstar coroa mais enxuto do mundo...
Iggy Pop!
Iggy afirmou que pretendia fazer algo bem diferente em "Preliminaires", diferente desde sua carreira solo, à época do The Stooges.
Bem, se a idéia era fazer algo diferente, misturando vários estilos, parabéns Iggy, você conseguiu.
Mas não venha me dizer que "Preliminaires" é melhor que qualquer um dos seus Cds com o The Stooges.
A voz de Iggy parece ficar mais grave com o passar dos anos, e combinada com ritmos lentos, chegando a soar até um pouco psicodélico, em "Preliminaires" é muito fácil dormir.
Durma em "Les Feuilles Mortes"(primeira faixa do álbum), caia em um sono profundo, e só acorde em "Nice to be Dead". De forma alguma digo que são músicas ruins, mas vai da atmosfera do momento de cada pessoa. Agora, nesse minuto, não estou com paciencia pra músicas lentas, sussurradas.Talvez por isso a crítica parece ser negativa.
Resumindo, não é um álbum ruim, mas ao comprá-lo/fazer seu download, tenha consciencia, que é música muito calma, e com o perdão da piada, chega a lembrar Julio Iglesias logo na primeira faixa.

Link pra Download

"Aos 13" (Thirteen) - Catherine Hardwicke

Sinopse
Aos Treze acompanha a transformação de Tracy (EVAN RACHEL WOOD), que no início é uma estudante promissora que ainda brinca com ursinhos de pelúcia e bonecas. Porém, ao entrar para o ginásio, Tracy entra em contato com a forte pressão dos grupinhos, e vê o poder de atração de Evie Zamora (NIKKI REED), conhecida como “a garota mais sexy da escola”. Popular, bonita como uma modelo, e arrogante de um jeito irresistível, Evie representa tudo o que Tracy quer ser.

No início, Tracy não tem esperança de ser aceita na turma de Evie. Ela se comporta da maneira errada, não tem amigas descoladas e, principalmente, não sabe se produzir. Porém, pouco a pouco Tracy consegue se transformar no ideal máximo de uma adolescente de 2003. Ela aprende a se maquiar, a se vestir, a ter a atitude certa.

Tracy acaba aprendendo os truques para se tornar popular, consegue se tornar a melhor amiga de Evie, e até passa a chamar a atenção dos meninos. Acontece que, quanto mais Tracy entra na vida adulta prematuramente, maiores são os riscos. Ela se distancia da mãe (HOLLY HUNTER), começa a matar aulas e, embora deteste o namorado da mãe (JEREMY SISTO), um ex-viciado, passa a usar drogas.

Apesar de tudo, Tracy tem apenas treze anos, e vive num redemoinho de sentimentos em que tudo o que faz, diz e deseja, tem uma importância enorme para ela. E ela ainda tem a vida toda pela frente.


Na minha opinião, é um bom filme. O elenco é ótimo, e não tenho nada a reclamar. Por enquanto. Acho que apesar de menos sonoro, o filme deveria se chamar "Seventeen", ou no máximo "Sixteen". Não sei bem como é a realidade da juventude de classe média estadunidense, mas achei um pouco exagerado. Sem contar, que pelo corpo das atrizes Evan Rachel Wood e Nikki Reed, percebe-se que não têm 13 anos à uns 5 anos. É um detalhe bobo, que não torna o filme melhor ou pior, mas acho válido fazer essa observação.

Também não gostei muito do final do filme. Não quero fazer com que o filme perca a graça, pois a idéia do blog, é que você leitor, leia a crítica, e procure a obra.

Assistam o filme, é realmente bom, e postem aqui sua opinião também!

Assista aqui o trailer



segunda-feira, 13 de julho de 2009

The Bright Lights of America - Anti-Flag


Anti-Flag é uma banda americana de punk rock; uma banda bastante engajada, principalmente contra guerras, preconceito George Bush, e lutam pelo fim do sofrimento animal.
Em "The Bright Lights of America", lançado em 2008, vêm com uma pegada bacana, que chega a soar um pouco pop punk, mas é bom. Conheço poucas pessoas que gostam da banda. Mas eu a considero uma boa banda. Uma das coisas que mais me chamou atenção, é o fato de saberem usar vocal de apoio, e dessa forma, as músicas são cantadas em coro, o que fica realmente bonito.
Não são exímios músicos, mas nesse álbum vi coisas muito bacanas, como além do vocal que eu ja elogiei, bons solos de guitarra, um baterista rápido e um baixista que põe peso e emoção às músicas, principalmente em faixas como "We are the Lost" e "If you wanna Steal". Não espere discípulos de Steve Vai, mas considerando o estilo, e o sentimento que foi passado, são sim bons músicos.

Download aqui!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Contra todos - Dead Fish


A banda capixaba de hardcore, agora em nova formação, vem com tudo no álbum "Contra todos".
A Dead Fish voltou "à suas raízes", e lembra mais os primeiros álbuns.
Instrumentalmente falando, não é grandes coisas, assim como a maioria das bandas de hardcore, mas não deixa de ser uma boa banda, e "Contra Todos" é um bom álbum.
O que mais me agrada na banda, é que suas músicas, apesar de rápidas e pesadas, são compreensíveis. Dá pra entender os gritos do vocalista Rodrigo, e refletir sobre as letras, que costumam ser politizadas, com diversas críticas à sociedade contemporânea.
Em "Contra Todos", abrem com uma faixa rápida, e curta. "Não" é uma das melhores do álbum. O resto é o que todos já conhecem, entre os melhores álbuns da banda. Nada de muito diferente.
Só não gostei de algumas por serem músicas grandes, já que dentro desse estilo, gosto de músicas curtas, diretas, objetivas.

Download do album

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Cidade de Deus - Fernando Meirelles


Sinopse

O filme começa na década de 1960, quando os protagonistas Zé Pequeno, então apelidado "Dadinho", e Bené são pequenos deliqüentes na recém-fundada comunidade de Cidade de Deus, construída pelo governo do Estado da Guanabara, como parte da política de remoção de favelas.

Na década de 1970, os antigos amigos assumem o comando do tráfico de drogas na comunidade, que agora está ainda mais empobrecida e violenta. Os dois estabelecem prioridades bastante diferentes em suas vidas. O conflito entre o bando de Zé Pequeno contra o único foco de resistência ao seu controle total da Cidade de Deus, a área controlada pelo bando de Sandro "Cenoura", acirra-se quando morre Bené, que protegia "Cenoura" devido à antiga amizade entre os dois, e deixa o caminho livre para que Zé Pequeno desencadeie uma verdadeira guerra pela hegemonia do comando do crime no local.

Todo o drama é contado a partir do ponto de vista de Buscapé, um garoto pobre da comunidade que sonha em ser repórter fotográfico e resiste à tentação de entregar-se ao aparentemente mais fácil caminho da criminalidade. (fonte: Wikipedia)



Estava um pouco cansado de raciocinar enquanto via filmes, então resolvi assistir algo mais simples. Bem "cine-pipoca" mesmo.

O filme é realmente bom, e fez um paralelo na minha cabeça com o badalado "Tropa de Elite". Acho legal assistir filmes com temas parecidos, mas em pontos de vista diferentes.

Contém cenas bastante violentas, realmente fortes. Mas outras bem engraçadas, e é impossível não lembrar do vocabulário dos personagens, com expressões realmente engraçadas, e que são lembradas até hoje no dia-a-dia das pessoas.

A história em si não tem nada de fantástico, mas sem dúvida alguma, vale a pena ver o filme.

Recomendo o filme à todos, é um dos melhores filmes nacionais que já vi.



Gostaria de pedir desculpa à vocês, já que a frequência de atualização do blog diminuiu bastante.

Mas o Pedro Fontes, devido à problemas pessoais, não está podendo atualizar o blog.

E eu, estou apertado na escola, semana de provas, então, realmente preciso estudar.

Espero que compreendam.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Desvio de conduta - Strike


Ainda não acredito que sentei aqui pra falar desse álbum, depois do brutal arrependimento que senti ao fazer o download.
Não conhecia a banda, sabia apenas que tinha vencido o Vanguart, que é uma grande banda, na disputa de um prêmio do VMB.
Como fã de Sun41, fiquei revoltado.
São cópias baratas, deslavadas, uma tentativa terrívelmente falha de fazer um som pop punk.
O Brasil não sabe fazer pop punk. E se eu estiver falando bobagem, por favor me corrijam.
Não consigo outra palavra, a não ser revolta. Existem tantas coisas bacanas, que já falaram, e outras que ninguém falou, mas a banda insiste em falar de relacionamentos adolescentes, ou então "pagando" de revoltados.
Revoltado de verdade, é uma pessoa com o mínimo bom senso após escutar o álbum.
Lixo, não vejo outra palavra.
Assim como disse Arnaldo Baptista à alguns jovens músicos que o pediram para produzi-los.
APRENDAM A TOCAR.
Sem mais.
(Me recuso a por link de download)

domingo, 21 de junho de 2009

Across The Universe - Julie Taymor

Sinopse
O filme começa em Liverpool, de onde o inglês Jude (Jim Sturgess) decide partir para os EUA em busca de seu pai. Lá, ele conhece um estudante rebelde, e se apaixona por sua irmã (Evan Rachel Wood). Esta por sua vez, acaba envolvendo com emergentes movimentos de contra-cultura, da psicodelia aos protestos contra a Guerra do Vietnã. Em meio às turbulências da época, Jude e Lucy vão passar por situações que colocam sua paixão em choque.

Hoje revi este belo filme, não resisti e quis roubar por uns minutos o espaço do Pedro Fontes (filmes).
Procurei o filme, assim como muitas pessoas, por ser um fã de Beatles.
E pra quem não sabe, "Across The Universe", é um músical, com canções dos Beatles.
É impressionante, como a melodia, e as letras, encaixam perfeitamente às cenas do filme. É como se George,Paul,John e Ringo tivessem feito as músicas após assistir o filme.
Achei engraçado, o fato de todos os nomes dos personagens terem sido retirados de músicas dos Beatles, como Jude(Hey Jude), Lucy(Lucy in the sky with diamonds), Sadie (Sexy Sadie), Prudence(Dear Prudence), etc.
Nem todas as músicas são cantadas no mesmo tom, e mesmo ritmo dos astros de Liverpool, fizeram algumas versões, mas garanto que são todas, absolutamente todas as canções são maravilhosas. Os atores do elenco(ao menos os que cantam em "Across the Universe") realmente, são grandes cantores.
A história de amor entre Jude e Lucy, é intrigante, cheia de altos e baixos, o que deixa o espectador preso, louco para saber o destino do casal.
Eu posso ficar o resto do dia escrevendo sobre cada cena, mas estragaria toda a graça.
A interpretação deve ser individual, para que o filme se torne mais interessante.
Mas não quero deixar de citar, cenas como o enterro do namorado de Lucy, que me fez chorar. É incrívelmente emocionante, e não nasceu ainda a pessoa que pelo menos não se comova com essa cena.
A despedida de Jude e sua namorada, que passa simultaneamente com a despedida de Lucy e seu namorado, ao som de "All my loving", não chega a ser emocionante, mas é uma das cenas mais bonitas do filme, e por ser no início do filme, da aquele tom de "eu sei que vai ser bom" para quem assiste.
Recomendo à todos! Sem exceções. Um dos melhores filmes que já vi.

sábado, 20 de junho de 2009

Don't believe the truth - Oasis


Álbum de uma das maiores bandas de todo o Reino Unido.
É um ótimo álbum, não é por acaso que é um campeão de vendas, e consagrou a banda, como a melhor banda britânica depois dos Beatles e do Queen, além de dar mais força ao movimento britpop.
A banda usou de recursos simples, porém fantásticos, como o uso da gaita e do teclado.
Em "Mucky Fingers" temos um solo maravilhoso de teclado, é uma ótima música.Só é uma pena, que seja uma faixa anterior à "Lyla", que de todo o álbum, foi a música que mais tocou em rádios, seu clipe foi passado inúmeras vezes na MTV, e realmente, é uma ótima canção.
Percebi que fizeram uma mescla bacana entre as músicas do álbum. Em sua maioria, intercalam as "baladinhas calmas" e as músicas um pouco mais agitadas.Isso fica bem claro, ao ver "Love like bomb" e "The importance of being idle"; que já imenda com uma faixa mais rápida e agitada, que está antes de uma balada muito bonita:"Guess God think's i'm Abel".
Não quero falar tudo sobre o álbum, já que é um álbum indispensável em qualquer coleção, e é importante que tirem suas próprias conclusões, e que COMENTEM-AS aqui! hehehe
Bom divertimento!

!Link pra download!

domingo, 14 de junho de 2009

Favourite Worst Nightmare - Arctic Monkeys




















Uma das maiores bandas de indie rock de todo o Reino Unido, vem com tudo nesse álbum de 2007.
Venho mudando cada vez mais minha opinião sobre esse estilo, e acho necessário dizer, que esse álbum é um dos grandes responsáveis.
Não precisa ser um gênio, para perceber que a banda é formada por bons músicos, e que aparecem igualmente.
As canções possuem partes lentas, e outras bem rápidas, sem perder o "sentido". Achei isso fantástico, já que conheço poucas bandas que fazem isso com perfeição como o Arctic Monkeys.
Pra fãs de Indie Rock, esse álbum não pode faltar em sua coleção.
Não vejo uma bateria rápida como no hardcore, e também não é repleta de viradas"primatas" como no metal, mas é inevitável não ficar admirado com a atuação do baterista Matthew Helders. As guitarras, assim como qualquer banda indie, mantém uma em bases, e a outra fazendo muitos riffs. Nem sempre rápidos, mas sempre interessantes. Gosto da forma como Alex Turner canta. É calmo, é bonito, e consegue passar a emoção que as letras carregam. É uma banda excelente.
Recomendo!

Download aqui!

Planeta Terror (Planet Terror / Grindhouse / Death Proof, 2007)


"Um casal de médicos é surpreendido pela chegada de várias pessoas com mutilações no hospital em que trabalham. Entre elas está uma dançarina de boate que teve sua perna arrancadada e substituída por uma metralhadora. Produzido por Quentin Tarantino."

Primeiramente, peço desculpas pela falta de posts nos 2 últimos dias.

Lançado nos Estados Unidos acoplado a À Prova de Morte (2007), como o longa-metragem Grindhouse. Trata-se de uma homenagem dos diretores Quentin Tarantino e Robert Rodriguez aos filmes de terror que assistiam nas matinês na infância.

Hoje resolvi me arriscar a criticar mais um filme produzido por Tarantino (Pulp Fiction). ''Planeta Terror'' leva muita base nas sessões duplas de terror dos anos 80, principalmente na estética suja com que lida.

o filme envelve muita ação, e psicologia, indo fundo na mente dos personagens. o elenco é composto basicamente por Bruce Willis (Pulp Fiction), Naveen Andrews (''Lost'', seriado de TV) e Marley Shelton (Sin City).

NOTA:
8,5/10

Trailer:
http://www.youtube.com/watch?v=uwRfr_oY1iM


quarta-feira, 10 de junho de 2009

Senhor das Armas, O (Lord of War, 2005)


"Nicolas Cage interpreta Yuri Orlov, um homem que deixa a União Soviética e vai para os Estados Unidos com sua família se passando por judeu. Após se tornar um membro das Nações Unidas, ele percebe que pode ser lucrativo o negócio de vender armas ilegais para estrangeiros. Com o fim da Guerra Fria, ele e seu irmão, Vitaly, passam a fornecer todo tipo de armamento para o apático exército russo. Eventualmente, Orlov deve pagar por seus atos, podendo ser a sua família a vítima. Enquanto isso, Orlov também passa a ser perseguido por Jack Valentine, um cruel agente da Interpol."

O Senhor das Armas é um filme que te põe a pensar no mundo em que vivemos hoje. Um filme muito bem elaborado, com um elenco composto por ninguem mais que Nicolas Cage (60 Segundos), Jared Leto (Clube da Luta), Ethan Hawk (Assalto ao 13ºDP), Bridget Moynahan (Eu, Robô) e Eamonn Walker (Justice, série de TV).

A história de Yuri Orlov sem dúvida te desperta uma grande ambição, ao mesmo tempo que um "medo" da realidade em que vivemos. um filme baseado em fatos reais, que realmente agrada a gregos e troianos.

NOTA: 8/10

Trailer:
http://tvuol.uol.com.br/cinema/trailers/2005/08/26/ult2489u486.jhtm

terça-feira, 9 de junho de 2009

Legend - Bob Marley and The Wailers


Legend é um álbum do cantor, compositor e guitarrista jamaicano, lançado em 1984. Bob Marley atingiu tanta fama, popularizando o reggae, e a sua religião, através de música de qualidade.
O álbum é uma lista de sucessos, grandes músicas, apenas "hits".
Mas o fato de ter tantas canções que "estouraram", faz com que as pessoas ao pesquisar sobre o cantor, comprem o álbum, e acham que não passa disso.
Pobres mortais, estão redondamente enganadas, já que Bob tem canções melhores, ou tão boas quanto, em vários outros álbuns.
Confesso que sou fã de músicas rápidas, e de pouca duração. Mas ao ouvir o álbum eu me esqueci disso.
Músicas de sete minutos, que trazem uma calma, que passam a ser som ambiente. É mais fácil sentir do que escutar a música, e isso faz de Bob Marley um músico monstruosamente genial. Não há muito o que dizer sobre as canções individualmente, já que gostei bastante de todas.
Vale apenas ressaltar, que a canção que mais gostei é "Buffalo Soldier".
Faça o download, e relaxe na paz de Jah :D


Não encontrei nenhum link que funcionasse pra download do album, mas essa semana eu vou upar, e coloco aqui.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Exterminador do Futuro 1,2 e 3 (Terminator [...])


Com o lançamento de "Exterminador do Futuro: A Salvação", o 4º filme da série, dando início à uma nova trilogia, achei interessante comentar sobre os filmes precedentes.

"Num futuro próximo, a guerra entre humanos e máquinas é deflagrada. Para aniquilar com o inimigo, é enviado ao passado um andróide com a missão de matar a mãe do principal líder guerrilheiro humano. Mas um outro humano também é enviado ao passado, para protegê-la. Com direção de James Cameron (Aliens, o resgate) e Arnold Schwarzenegger e Linda Hamilton no elenco."

O primeiro filme da série, lançado há 25 anos atrás, na minha opinião, foi o melhor dos 3. Com o elenco estruturado basicamente em Arnold (Batman & Robin), o filme tem um ótimo enredo, muita ação, tensão e como não poderia faltar num filme de Schwarzenegger, muitos carros explodindo.


"Um novo andróide, totalmente feito de metal líquido, é enviado para eliminar John Connor ainda criança. Enquanto isso, o andróide que perseguiu sua mãe no passado é agora enviado para protegê-lo da nova ameaça. Com direção de James Cameron (Titanic) e Arnold Schwarzenegger, Linda Hamilton e Edward Furlong no elenco."

O segundo filme dá uma verdadeira reviravolta na vida de Sarah e John Connor. assim como o primeiro, tem muita ação e explosões, com um vilão que desafia todas as leis da física. Vencedor e 4 oscars.


"O terceiro filme da série enfoca a primeira batalha entre os humanos e a inteligência artificial da empresa SkyNet. Uma nova ciborgue, TX (Kristanna Loken), mais poderosa e com a capacidade de se transformar em qualquer coisa, terá a missão de matar o líder da resistência, John Connor (Nick Stahl). Arnold Schwarzenegger é o ciborgue T-800 que, mais uma vez, deve salvar a vida de Connor."

Na minha opinião o pior dos três. Não pior, mas ''menos melhor'', se é que isso é valido.
Pra quem gosta de ficção científica, ação extrema e uma história interessante, a trilogia dos Exterminadores é um prato cheio, sem dúvida.

Notas:
1º: 8/10
2º: 7/10
3º: 5/10

Trailers:
1º: http://www.youtube.com/watch?v=-Vsp2EQ5B2U
2º: http://www.youtube.com/watch?v=oL1RE8JXaIw
3º: http://www.youtube.com/watch?v=FGa_okck7Xw

domingo, 7 de junho de 2009

When the city is quietly - Ebony Ark


Banda que mistura um pouco de power metal progressivo com música gótica, que ja me chamou atenção desde à capa do CD.
Possui grandes músicos, vocal feminino, que aliás, possui uma voz maravilhosa.
Me surpreendi ao descobrir, que apesar das letras em inglês, a banda é formada por um sexteto espanhol.
A banda é bem completa, consegue fazer um som bem pesado, mas também faz uma melodia calma e bonita. Um ponto alto, é o uso do teclado, que é um instrumento que me agrada bastante. Solos de guitarra muito bem feitos, o baixo consegue dar o peso necessário, enquanto a bateria da um clima todo especial às canções, com muito pedal duplo, e viradas fenomenais.
Mas nem tudo são flores. Apesar de conseguirem fazer música de qualidade, achei as músicas muito parecidas entre si, o que pode tornar o álbum cansativo, que como eu tive que parar o disco umas três vezes, para tomar água, ou fumar um cigarro.
Talvez isso aconteça por eu não ser um grande fã do estilo.
Mas façam o download, e divirtam-se! Recomendado pra fãs de Nightwish, Epica, etc. Bandas de metal com vocal feminino, de alta qualidade.

Download Aqui

terça-feira, 2 de junho de 2009

Clube da Luta (Fight Club, 1999)


"Jack (Edward Norton), homem do tipo "certinho", está exausto dessa vida e resolve fazer parte de um clube privado ao conhecer o louco e audacioso Tyler Durden (Brad Pitt). O Clube da Luta é restrito aos seus integrantes e é secreto. Dentre suas regras estão: Não falar nunca sobre o Clube da Luta e seguir à risca a regra número 1. Lá, eles pretendem descontar todas as suas fúrias e aprender a ser livres. Tyler prega a autodestruição para se atingir a liberdade. Tentando se afastar de sua vida certinha, Jack não sabe se está mesmo no caminho certo. Tyler é um líder que atrai cada vez mais seguidores e Jack teme que as coisas fujam do controle."

Sem dúvida, meu filme favorito. o elenco composto por Brad Pitt (Sr. e Sra. Smith), Edward Norton (Hulk), Helena Bonham Carter (Sweeney Todd), Jared Leto (Senhos das Armas) e a produção de David Fincher, responsável por sucessos como "Seven" e "O Curioso Caso de Benjamin Button".

Clube da Luta é um filme pra ser assistido pelo menos umas 3 vezes, pois contém muitas mensagens subliminares e dicas de um segredo que após descoberto, parece tão óbvio. A loucura de Tyler, as regras do clube, a sedução de Marla Singer e as tetas de Bob (risos) tornam esse filme imperdível pra qualquer ficçionado por cinema.

NOTA: 10/10 (quem dera eu pudesse por 11)

Trailer:
http://www.youtube.com/watch?v=69qgyMAshcA

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Idem - Móveis Coloniais de Acaju


Uma das muitas bandas geniais vindas de Brasília, porém, uma banda totalmente diferente de suas conterrâneas.
Uma mistura fantástica de rock e ska, com influências do leste europeu, a Móveis Coloniais de Acaju é uma grande banda, formada em 1998, com seus muitos integrantes (se não me engano, 10); e hoje falaremos sobre o cd lançado em 2005 "Idem".
Gostei bastante do álbum, mas gostaria de destacar algumas coisas que me chamaram atenção, como a voz grave do vocalista, marcante, muito bonita mesmo.
Os metais dão um toque maravilhoso às canções. Móveis Coloniais de Acaju tem tudo pra ser uma das maiores bandas do Brasil, e merece sucesso internacional sim.
Algumas canções me chamaram mais atenção, como "Perca peso agora", que vi como uma crítica à sociedade, com seus valores fúteis, teoricamente irrelevantes, mas na prática, sempre temos alguns dos citados.
"Copacabana" me pareceu um a declaração totalmente cult, alternativa(risos).
Tem um ritmo especial, te faz entrar na música, e novamente os metais ajudam, fazendo com que você cantarole durante todo o dia.
"Menina-Moça" é parecido nesse ponto, porém além dos metais,me chama muita atenção o riff, que apesar de simples, é bem feito, e imenda com a voz.
"Esquilo não samba","E agora, Gregório" e "Seria o Rolex?" também são ótimas músicas.
É um desafio pra mim falar sobre "Idem", já que adorei o álbum inteiro. Mas tentei falar sobre o que mais me chamou atenção, e espero que gostem.

Link para download: http://www.4shared.com/file/46693669/5497f4a7/Moveis_Coloniais_de_Acaju_-_Idem.html?start=

domingo, 31 de maio de 2009

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange, 1971)


"No futuro, Alex (Malcolm McDowell), líder de uma gangue de delinquentes que matam, roubam e estupram, cai nas mãos da polícia. Preso, ele é usado em experimento destinado a refrear os impulsos destrutivos, mas acaba se tornando impotente para lidar com a violência que o cerca."

Eu, pessoalmente, fico até tímido de falar de um filme como "Laranja Mecânica". Primeiramente, por ter sido dirigido por ninguém mais do que Stanley Kubrick (Spartacus), e um elenco espetacular na sua época, com Malcolm McDowell (Se...), Patrick Magee (O telefone) entre outros.

A mente de Kubrick explora um futuro fictício que chega a ser surpreendente a forma com que algumas coisas batem com o presente que vivemos. Vale ressaltar que o filme foi feito a quase 40 anos atrás. Com o psicodelismo do cenário, a loucura de Alex DeLarge, e os problemas pelos quais ele passa fazem desse filme um grande clássico do cinema.

Esse filme apresenta muitas curiosidades como:

-
No livro, o sobrenome de Alex em momento algum é revelado. Comenta-se que DeLarge seja uma referência a um momento no livro em que Alex chama a si mesmo de "Alexander the Large".
-
Stanley Kubrick propositalmente cometeu alguns erros de continuidade em Laranja Mecânica. Os pratos em cima da mesa trocam de posição e o nível de vinho nas garrafas muda em diversas tomadas, com a intenção de causar desorientação ao espectador.
-
linguagem utilizada por Alex foi inventada pelo autor Anthony Burgess, que misturou palavras em inglês, em russo e gírias.
-
O filme foi retirado de cartaz no Reino Unido a mando de Stanley Kubrick. Irritado com as críticas recebidas, de que Laranja Mecânica seria muito violento, Kubrick declarou que o filme apenas seria exibido lá após sua morte.
-
O livro em que Frank Alexander trabalhava quando Alex e sua gangue invade sua casa chamava-se "A clockwork orange".
-
Basil, a cobra, foi colocada nas filmagens após o diretor Stanley Kubrick descobrir que Malcolm McDowell tinha medo delas.
-
Stanley Kubrick certa vez declarou que, se não pudesse contar com Malcolm McDowell, provavelmente não teria feito Laranja Mecânica.

NOTA: 10/10

TRAILER:
http://www.youtube.com/watch?v=7EwT2JHDENE